Publicador de Conteúdos e Mídias

08.09.20

Klabin adapta Programa Caiubi durante a pandemia e segue plano de educação ambiental em ambiente virtual

Desenvolvido em parceria com as Secretarias de Educação, projeto capacita
professores sobre responsabilidade ambiental

São Paulo, 08 de setembro de 2020 – Com o objetivo de continuar agregando
para a formação de cidadãos responsáveis e conscientes ecologicamente,
mesmo durante o distanciamento social na pandemia, a Klabin adaptou o
Programa Caiubi para o formato de “ensino remoto” e manteve ativas as
capacitações para professores sobre diversos temas dentro de
responsabilidade ambiental. O Caiubi é desenvolvido em parceria com as
Secretarias Municipais de Educação e tem como objetivo disseminar os
conceitos de conservação ambiental em sala de aula. Desde sua criação, já
foram beneficiados mais de 4.600 professores, 445.063 alunos e 2.471 escolas
do Paraná, Santa Catarina e da cidade de Feira de Santana (BA).

A capacitação de professores dos municípios não parou mesmo com o cenário
imposto pelo novo Coronavírus, mas teve a sua dinâmica alterada por conta da
impossibilidade de realizar os encontros presenciais. O ambiente digital, com
salas virtuais, entrou no lugar do Parque Ecológico Klabin, no Paraná, e do
Auditório Caiubi, em Santa Catarina, para receber as palestras e as oficinas do
Caiubi em um formato como o utilizado no Ensino a Distância.

No Paraná, duas oficinas virtuais foram ministradas por professores do Instituto
Federal do Paraná (IFPR), do Campus de Telêmaco Borba (PR). A primeira
ensinou a fabricar tintas atóxicas a partir de matéria orgânica presente no dia a
dia. Já a segunda ensinou a criar origamis de espécies de animais do cerrado
brasileiro ameaçadas de extinção, utilizando uma técnica para que
se assemelhem à esculturas. Os dois encontros contaram com a participação
de 60 professoras e coordenadoras pedagógicas de escolas da rede pública de
ensino de Telêmaco Borba.

“Eu gostei bastante da experiência das lives. Os dois professores
estabeleceram uma dinâmica bem legal com os conteúdos que produziram,
achei a ideia tão boa que, inclusive, sugeri que tenhamos mais oportunidades
de aprender a fazer coisas legais assim pessoalmente também. É bom ter
contato com novos conceitos e possibilidades, porque ajuda no planejamento
das aulas nesse modelo de ensino a distância, que ainda é bem novo para nós.
E as crianças adoram coisas interativas, o retorno é sempre positivo”, disse
Kitty Gisele Endo, chefe de Seção dos Programas Educacionais da Secretaria
Municipal de Educação.

Já em Santa Catarina, as duas palestras online tiveram como tema central a
“Fauna Silvestre”. A primeira, intitulada “O caminho do lixo ao bicho”,
foi ministrada por Pedro Volkmer de Castilho, biólogo e doutor em Zoologia, e
abordou a questão da correta gestão dos resíduos; a segunda foi conduzida
por Vilmar Picinato Filho, engenheiro Florestal e doutor em Manejo Florestal, e
discutiu sobre a preservação ambiental, com o título “Fauna da Floresta de
Araucárias e os monitoramentos na Klabin”. Os encontros virtuais reuniram 82
educadores de todo o estado.

“A 33° edição do programa Caiubi, em Santa Catarina, nos trouxe uma
abordagem impactante da realidade do nosso meio ambiente e do sofrimento
causado aos animais marinhos. Também foi demonstrado o comprometimento
nas ações e o empenho da Klabin em conservar e trabalhar em uma política de
sustentabilidade e preservação das espécies, um trabalho que vai ao encontro
dos nossos anseios como educadores e disseminadores dessa necessidade
urgente de, cada vez mais, vivermos em harmonia com a natureza, já que
somos apenas parte dela”, relatou Elenita Lourenço da Silva Geratti –
Professora da educação infantil, Pré-Escolar, nas escolas E.B.M. Olintho
D’Àvila Mesquita e C.E.I. Pingo de Gente, em Correia Pinto (SC).

Caiubi na Bahia

Feira de Santana (BA) receberá a 2ª edição do Programa Caiubi nos dias 17 e
24 de setembro, com o apoio do Instituto Federal da Bahia (IFBA). O encontro
virtual dará continuidade à temática de resíduos sólidos, abrangendo o impacto
da gestão inadequada dos resíduos na poluição dos rios e dos mares
e, também, na biodiversidade. Estima-se a participação de 50 professores das
escolas municipais e do IFBA, com impacto direto para mais de 300 alunos da
cidade.